Café beira rio 2
Leitor

Estive fazendo uma visita ao sertão da Bahia e ao parar numa localidade, custei a acreditar e fiquei a me  perguntar, se aquela cidadezinha que dependia muito dos serviços de Jacobina na décadas de 60

70 , era mesmo Irecê.

Lembro-me que as transações bancárias só eram feitas pelos produtores irecesences em Jacobina,  ou pela cooperativa mista agropecuária de Jacobina, ou ainda pelo banco da Bahia do saudoso Clemente Mariani,   gerenciado em Jacobina pelo não menos saudoso Joselito Magalhães.

No comércio então , era uma farra , tudo ou quase tudo que Irecê consumia era fornecido por Jacobina. Combustíveis , cereais, medicamentos , motores estacionários , equipamento para irrigação , até água doce alguns se arriscavam em levar ( lembrando que a água de la era salobra), enfim Irecê era o nosso grande e mais importante cliente.

Excetuando-se Feira de Santana , Jacobina seria , a época, a capital do negócio

A capital do Sertão.

Vejam que usei muito a palavra era para aqui designar ou citar alguma coisa.

Pois, vou aproveitar o verbo ser , aqui enfatizado , para , agora, nos dias atuais situar Jacobina em relação a Irecê, e para tal vou chamar para nossa conversa a primeira pessoa do pretérito perfeito para colocar Jacobina :

EU FUI ou Ainda no pretérito , Jacobina gritar NÓS FOMOS , nesta época , bem representados politicamente , políticos como MANOEL NOVAIS, FRANCISCO ROCHA PIRES , EDVALDO VALOIS , que, salvaguardando-se as proporções , carreavam através da comissão do vale do São Francisco , grandes investimentos para Jacobina e região

Se puxarmos agora , o verbo ser para o presente do indicativo veremos que a bola da vez é o município de Irecê e seu povo.

EU SOU o grande produtor da região , NOS SOMOS bem representados politicamente

E disto redunda em desenvolvimento.  Irecê é hoje a grande maquina produtiva deste norte baiano.

Para que os senhores tenham uma dimensão do comentado, saem, hoje ,  de Irecê  em torno de 80 a 90 caminhões por dia de produtos hortigranjeiros como cebola, beterraba, cenoura, melão , pinha para abastecimento de salvador , recife, São Paulo, até Belém no PARÁ.  Tudo isto produzido  no município através da irrigação.

Se concentra na cidade de Irecê uma grande quantidade de órgãos estaduais , federais que atendem às necessidades de toda micro-região, além disto,  tem Irecê um hospital geral do estado com recursos de UTI ADULTO /NEONATAL,  inúmeras clínicas médicas particulares  que são auto suficientes em medicina nuclear e de imagem no atendimento médico / hospitalar e que atraem pessoas de toda micro região.  

Destaque-se aí,  a clinica de hemodiálise que possui uma grande quantidades de máquinas para procedimentos e que é dirigida por um médico jacobinense de nome LEANDRO  OLIVEIRA , que pela sua dedicação , pelo seu trabalho e sobretudo pelo conhecimento científico recebe da sociedade de toda região o reconhecimento todo carinho diferentemente de Jacobina onde foi execrado e ofendido por um gestor que nem daqui é. ( coisas que só acontece na minha terra ).  O  DR. LEANDRO é filho do pediatra JUMAN DE OLIVEIRA,  muito querido por tds jacobinenses.

Enfim , uma grande região que formam os municípios produtivos ao seu entorno , credencia Irecê a primeira pessoa do futuro do presente do verbo ser , EU SEREI , caso continuem no mesmo ritmo de investimentos através dos governos estadual/federal , um dos 5 municípios mais importantes no contexto de produtividade , do estado da Bahia.

E nós hein ? Eu diria que estaríamos no futuro do pretérito do verbo ser , dizendo a Irecê que a esta altura só nos enxerga pelo retrovisor, NÓS SERIAMOS igual a vc Irecê,  caso tivéssemos representatividade política, se aqui aparecesse políticos efetivamente interessados na melhoria da população, mas, e agora arguimos o indicativo presente para nos designar,  NÓS SOMOS mesmo é massa de manobra,  continuamos a ser curral eleitoral destes oportunistas de plantão,  que aqui aparecem de 4 em 4 anos para nos ludibriar e levar nossa dignidade.

No dia que evoluirmos politicamente, como Irecê evoluiu , aí sim,  poderemos voltar a ter a nossa Jacobina produtiva e respeitada.

Por enquanto , Irecê, o nosso pensamento tá voltado num é para o verbo SER não,  é para o verbo ESTAR  no seu presente do indicativo.

NÓS ESTAMOS é preocupados se vai ter a micareta ou não.

JONAS  FERREIRA  LIMA  FILHO, CIDADÃO JACOBINENSE